segunda-feira, 26 de maio de 2008

Parabéns Dourado pelos seus 111 anos.


No dia 19 de maio, dourado comemorou 111 anos.
Banda Marcial de Dourado representada pelos jovens da cidade.




Banda Marcial Municipal de Dourado.

História.
A Banda Marcial Municipal de Dourado é regida pelo maestro Ronaldo Nunes e é formada por 40 jovens estudantes. Trata-se de uma iniciativa resgatada pelo prefeito Dr. Edmur Pereira Buzzá que deu certo. “Além de ser uma atividade saudável para a juventude, promover a cultura e lazer, a Banda representa a volta do orgulho douradense para a nossa cidade, resgatando a auto-estima ao mesmo tempo em que divulga positivamente a cidade em outras regiões do Estado”, ressaltou o prefeito.



Pesquisa e fotos: Site Prefeitura Municipal de Dourado.
(16/08/2009)



Vejam Também:











 

EMEI Maria do Carmo


Nossos alunos e professores, homenagem à Educação.


Desfile em Dourado, SP - 2008



Banda Marcial



Desfile Cívico, Dourado - 2008




Desfile Cívico.

Desfile ou Parada é um evento comemorativo exibido geralmente em ruas abertas.
Pode ser o aniversário da independência de alguma nação, ou um marco importante na história de determinado local.
Em Dourado, interior do estado de São Paulo, os desfiles do dia de aniversário da cidade que acontecem em 19 de maio, destacam-se bela beleza das apresentações das escolas, bandas marciais, cavaleiros que desfilando às principais ruas, são acompanhados pelos olhares de visitantes e cidadãos douradenses onde cada ano prestigiam um desfile cada vez mais criativo e original.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Vejam também:


















Banda Marcial de Porto Ferreira.

Cavaleiros de Dourado.



Apresentação dos Cavaleiros - Início dos nossos colonizadores.


Cavaleiros.

Um cavaleiro é, na acepção mais básica da palavra, uma pessoa que monta a cavalo, mas o termo encerra uma grande variedade de sentidos, já que o ato de montar a cavalo teve, historicamente, significados muito diferentes.
Em cidades do interior paulista os cavaleiros foram os desbravadores de fronteiras onde em épocas distantes o cavalo era o principal meio de transporte na conquista de novas terras. Os cavaleiros, na fase do Brasil colonial, eram mais conhecidos por Bandeirantes.

Denominam-se bandeirantes os sertanistas do Brasil Colonial, que, a partir do início do século XVI, penetraram nos sertões brasileiros em busca de riquezas minerais, sobretudo a prata, abundante na América espanhola, indígenas para escravização ou extermínio de quilombos.

A maioria dos bandeirantes eram descendentes de primeira e segunda geração de portugueses em São Paulo, sendo os capitães das bandeiras de origens européias variadas, havendo não só descendentes de portugueses, mas também de galegos, castelhanos e cristão-novos, além de alguns casos de parentescos genoveses, bascos, sarracenos, napolitanos e toscanos, entre outros. Compunham minoritáriamente as tropas segmentos de índios (escravos e aliados) e caboclos (mestiços de índio com branco) normalmente chegando a no máximo vinte por cento do contingente total., e executando as tarefas secundárias da tropa, tal qual a manutenção dos mantimentos e cuidados dos animais de abate.
Alguns Bandeirantes conhecidos: Antonio Raposo Tavares; Bartolomeu Bueno da Silva, o Anhanguera; Manoel da Borba Gato; Fernão Dias Paes leme; Domingos Jorge Velho; Fernando de Camargo, o Jaguarete.

História.

Para os gregos e romanos, ser cavaleiro implicava prestígio social e económico.

Na Grécia Antiga, hippeis, literalmente "cavalaria", constituía a segunda mais alta dentre as quatro classes sociais de Atenas e era constituída pelos homens que podiam comprar e manter um cavalo de guerra, a serviço da pólis. A hippeis é comparável aos equestres romanos e aos cavaleiros medievais.
A cavalaria romana era um corpo do exército romano, composta pelos equites, recrutados desde os tempos de Rômulo entre os cidadãos romanos. Posteriormente foram incluídos os socii latinos e, finalmente, também os provinciais (auxiliares).
Entre as tribos nômades da Ásia Central, o cavalo não foi apenas o meio de transporte que permitiu o deslocamento desses povos desde as planícies da Mongólia até às fronteiras da Europa central - como no caso dos Hunos e dos exércitos de Gengis Khan. O animal também figurava em rituais mágicos religiosos e, no limite, podia servir como alimento. Por ocasião da morte do cavaleiro, seu cavalo chegava mesmo a ser enterrado com ele, o que era usual entre algumas tribos hititas.
Na Idade Média, a cavalaria era uma instituição, dotada de um código de conduta e de honra próprio que regulava não somente a arte da guerra, mas também a conduta social. Na guerra, o uso do cavalo para tracção dos carros de ataque foi abandonado, e o animal passou a ser usado apenas como montaria. Dada a necessidade de protecção do cavaleiro, foi inventada a armadura, que evoluiu nos seus vários estilos, dando origem à cavalaria pesada, uma das mais poderosas armas das guerras medievais.

Vejam Também neste blog:
















 

sábado, 10 de maio de 2008

Dourado...Eternamente...Dourado



Dos anos 70 aos anos 80 Dourado viveu uma época de saudosa lembrança...Quem morou ou conheceu esta cidade do interior paulista nesta época foi testemunha da amizade da fraterna relação dos seus habitantes. Uma emoção indescritível que cada um em seus sentimentos mais nostálgicos poderia descrever para uma juventude sempre promissora. Relatos marcantes que não poderiam deixar de serem citados: "O Footing", onde os jovens circulavam em volta da praça da Igreja Matriz. Os moços todos conduziam-se em sentido anti-horário e todas as moças pelo sentido horário. Havia ainda um alto-falante acoplado perto do relógio da igreja e um jovem que comandava de dentro de uma sala da igreja músicas a todos os enamorados, MPB, Beatles, Bee Jees, ABBA, The Feevers, Jacksons Five, Elton John, entre outros.

Marcante, então, era o oferecimento das músicas: "Esta música é oferecida de alguém para alguém, este alguém já sabe quem!".
Mantinha-se por regra onde músicas nacionais eram tocadas até as 22 horas, depois desse horário rolavam músicas
internacionais.
Havia um grande respeito as músicas da MPB e músicas caipiras, mas o que o pessoal gostava mesmo eram as internacionais, onde fluia o romantismo. 

 
O pessoal se segurava até as 23 horas na paquera, sorrisos, recados, piscadas... era o mundo da juventude da época. Depois todos se dirigiam à Discoteca do Sr. Pedro Leite, lendário entre estes jovens.
A Discoteca ficava próxima à praça, logo à esquina junto à lanchonete. Na portaria a moça impedia o acesso a jovens menores de 16 anos de idade. Mas enquanto o enamorado ou a enamorada não tivesse entrado ficava a ansiedade: "Mas ela ainda não entrou?" ...e ficava contrariado...
Dentro do salão da discoteca, as mesas enfileiradas nas laterais davam espaço a pista de dança, onde no alto um globo brilhante refletia luzes coloridas por todos os lados. 

 
Juntamente com os trajes, calças bocas de sino, cintos de couro largos, camisas de manga longa, criava-se a idéia de um filme igual ao de John Travolta em "Os Embalos de Sábado à Noite".
Quando havia baile marcado no "Dourado Clube" a discoteca ficava vazia, o pessoal ficava disperso, esperando para o próximo final de semana, porque o que eles mais queriam mesmo era o movimento da Discoteca. Outros ainda mantinham-se na "Lanchonete Babalú", aqueles ou que não gostavam de participar do "footing" ou porque seu ou sua namorada não estavam ali presentes. 

 
As bebidas da época faziam um sucesso total que ia desde Hi-Fi a Cuba-Libre e as doses de Cherry ou Menta à caipirinha e a cerveja tradicionalíssima com o bate papo ás mesas.
E quando não rolava de vez em quando os bailinhos caseiros com a famosa "Vitrola Sonata" com os discos de vinil..."era um fervo só"...
Tudo acontecia em perfeito respeito e uma amizade sincera, num ambiente saudável que deixa lembranças num momento épico da saudosa "cidade coração".


Video YouTube.




Momentos de Sabedoria




A sabedoria do Tao

Lao-Tse

A sabedoria parece estultice.
O verdadeiro sábio, Quando conhece Tao, Procura realizá-lo em si. Quem ainda vacila, incerto, Na sabedoria, são de vez em quando Segue o caminho certo.Quem apenas fala em sabedoria Não a toma a sério.Se Tao não lhe parecesse absurdo,Não seria Tao.Por isso disse o poeta:aquele que é iluminado por dentro,Parece escuro aos olhos do mundo.Quem progride interiormente,Parece ser um retrogrado.Quem é autorealizado. Parece um homem imprestável.Quem segue a luz interna,Parece uma negação para o mundo.Quem se conserva puro,Parece um bobo simplório.Quem é paciente e tolerante,Parece um sujeito sem carácter.Quem vive de acordo com seu Eu espiritual,Passa por um homem incognoscível. Tao se parece com um quadrado infinito Sem ângulos.Com um vaso de tamanho ilimitado Sem conteúdo algum.Parece-se com um som de infinita vibração. Que não se ouve.Com uma imagem infinitamente grande Que ninguém pode ver. Mas embora Tao não seja cognoscí­vel, Nem nominável, Ele é tudo e realiza tudo.
Explicação Lao Tse faz ver que ninguém sabe o que é Tao, a Infinita Realidade, sem o ter vivido e vivenciado diretamente. Saber é saborear.Saber é ser. Quem não se identifica pela vivência concreta com a existência abstrata, não tem noção de Tao. Saber é identificar-se totalmente com o sabido. Ninguém pode de uma comida em a ter saboreado, sem a ter sentido pelo sabor. Assim, se sabe o que é Tao quem o vive e vivencia com toda sua alma, com toda a sua mente, com todo o seu coração e com todas as suas forças.SabedoriaC.Torres Pastorino.
O
Estudo dá cultura. A meditação dá sabedoria.A cultura enriquece o espírito. A sabedoria o eleva.O enriquecimento do espí­rito o incha. Sua elevação o faz crescer, engrandecendo-o.A inchação do espírito é vaidade, que se julga grande e vê tudo minguado em sua volta. O crescimento do espírito faz-lhe ver as coisas do alto, com discernimento.A primeira produz distorção. A segunda acerta a perspectiva.A cultura é acumulo que vem de fora por justaposição. A sabedoria vem de dentro por crescimento próprio.A cultura é adquirida nos livros pela inteligência. A sabedoria é haurida pelo coração, na natureza.A cultura pode ser apanágio de um ignorante, tanto quanto a sabedoria pode ser coroamento de um iletrado. Harvey foi taxado de louco quando expôs sua teoria da circulação do sangue na Academia de Medicina;Pasteur foi combatido pelos médicos por não ser médico; a Academia de Ciências de Parí­s chamou de chantagem e impostura o gramofone de Edison, e não tomou conhecimento do aparelho que tocava a voz deles, sob a legação de que a nobreza da voz humana jamais poderia ser reproduzida senão pelo homem.De quanto ridí­culo se revestem hoje essas apreciações dos doutores da ciência oficial.Mas o homem não se emenda e teima em trilhar as mesmas estradas: dá muito valor a parte intelectual e nenhum ao coração.Lamentavelmente confunde cultura com sabedoria, chamando sábios aos que acumulam grossas bibliotecas em seus neurônios, sem, no entanto, assimilar em seus corações uma grama do conhecimento da verdade divina,que o amor a Deus através do seu representante visível: nosso próximo.Precisamos ser sábios, mesmo que não possamos ter grande cultura.


Sábio é aquele...
Que podendo enganar não engana,
que podendo mentir não mente,
que podendo explorar não explora,
que podendo iludir não ilude,
que podendo descansar faz de seu descanso uma obra-prima em trabalho,
que podendo perverter o mundo, melhora-o,
que tem para dar e dá,
que aprendeu a viver e ensina com exemplos e não com palavras ocas,
que a complexidade do artifício não o deixa perverter os bons princípios da vida, que o ignorante nunca atinge.
Roberto Stanganelli.


Sábio é aquele: que sabe que todo ato impensado é passageiro e que os princí­pios básicos da vida são eternos.”Se o homem buscasse conhecer-se a si mesmo primeiramente, metade dos problemas do mundo estariam resolvidos.” (John Lennon)

Sites sobre Dourado

Visite nossa cidade:

http://www.estanciasantaclara.com.br/

http://www.cafehelena.com.br/index.htm

http://www.fazendabelavista.com.br/

http://www.bufalodourado.com.br/

http://www.pousadafazendasaobento.com.br/

http://www.dourado.sp.gov.br/

Dourado - SP, Brasil

Dourado

Foto:

Dourado em 08/1985, Igreja Matriz de São João Baptista, Grupo Escolar Senador Carlos José Botelho, Posto Policial e na praça a Fonte Luminosa. Compartilhado com Déo pelo Facebook em set/2013.


Foto: Site Prefeitura Municipal  (www.dourado.sp.gov.br)



 Foto aérea (fonte: blogdoronco.blogspot.com)

Dourado. Por que a cidade teria esse nome? Talvez por causa do crepúsculo dourado que colore o céu da cidade todo dia. Talvez pelo peixe de mesmo nome que povoa os rios da região. O nome poderia ter sido originado de tudo isso. O fato é, qualquer pessoa que venha a conhecer Dourado, se apaixona por ela. Localizada no centro geográfico do Estado de São Paulo, nossa cidade tem inúmeras cachoeiras, fazendas, hotéis que proporcionam momentos de lazer e distração aos amigos e toda família.


Mais detalhes de Dourado:


Dourado, SP – Brasil.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Dourado é um município brasileiro do estado de São Paulo, e está localizado no centro geográfico (Obelisco) do estado.

História.
Em meados do século XIX, pequenas choupanas foram surgindo na região e, mais tarde, formaram um povoado denominado Bebedouro, atualmente município. Um dos mais antigos moradores do lugar, capitão José Modesto de Abreu, doou uma gleba de terras situada na Serra dos Dourados, onde o capitão José Sijus ergueu o primeiro rancho.
Uma capela foi construída e a partir de 1880 algumas famílias foram-se fixando ao seu redor, formando a povoação de São João Batista dos Dourados, cujo nome homenageia o Santo padroeiro e identifica a localização do povoado.
Passada uma década, as duas povoações vizinhas, São João dos Dourados e Bebedouro, reivindicavam a elevação à categoria de Distrito de Paz, tendo alcançado melhor êxito, em 1891, a de São João Batista dos Dourados.
Geografia.
Localiza-se a uma latitude 22º06'00" sul e a uma longitude 48º19'03" oeste, estando a uma altitude de 706 metros. Sua população estimada em 2006 era de 9.244 habitantes.
No município fica o centro geográfico ou centro geométrico paulista, centro de São Paulo, com a seguinte latitude e longitude (-22.070647,-48.4337=0.018096,0.042658 = 22º04'11,17"S, 48º26'00,52"O)

Demografia

Dados do censo de 2000
  • População Total: 8.606
    • Urbana: 7.839
    • Rural: 767
    • Homens: 4.403
    • Mulheres: 4.203
  • Densidade demográfica (hab./km²): 41,78
  • Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 14,46
  • Expectativa de vida (anos): 71,99
  • Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,63
  • Taxa de Alfabetização: 88,10%
  • Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,780
    • IDH-M Renda: 0,704
    • IDH-M Longevidade: 0,783
    • IDH-M Educação: 0,854
(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia

  • Rio Boa Esperança
  • Rio Jacaré-Pepira

Rodovias

  • SP-215 - Rodovia Luís Augusto de Oliveira




Veja Também neste Blog: