quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Hino Municipal de Dourado

Em 8 de maio de 1997, pela Lei Municipal nº 865, no mandato do Prefeito Municipal Dr. Idio Carli, foi instituído o Hino Municipal de Dourado.


Hino de Dourado.



Quando em Tempos distantes

Em que os bravos bandeirantes

Desvendavam os sertões

Buscavam pedras preciosas



Atrás de si uma clareira

Aberta na trilha aventureira

Princípio de civilização

Solitárias choupanas levantadas

As poucos eram habitadas

Surgindo a população



REFRÃO:

Se a vida é um régio presente

Que o Senhor tão generosamente

Concede a todos os filhos seus

Nossa querida Dourado

Nascer no teu solo amado

Privilégio dado por Deus



Sem sentir foi crescendo

O povo então foi requerendo,

De um padroeiro a proteção

Veio São João Batista dos Dourados

Mas o vizinho Bebedouro

Instava por si o logradouro

Foi lá que no início se instalou

Pois o santo, conforme diz a lenda

Por conta decide essa contenda

Então padroeiro se tornou!




REFRÃO:



Assim a cidade que cresceu

E tantas belezas recebeu

Até a ferrovia que partiu

Agora a lembrança permanece



Chegando o fim da jornada

E a nossa missão já terminada

Enfim a hora de partir

Deus concede repouso neste abrigo

No chão amado tão amigo

Para sempre o seu calor sentir



REFRÃO:





Poesia: Miltes Bueno Galassi
Música e Adaptação: Rodrigo Tadeu Belloti da Costa
Arranjos: Rodrigo Costa
Vocais: Beto Santos, Cidinha Costa e Rodrigo Costa
Algumas das interpretações do Hino destaquei:
§ 1º. – Quando em tempos distantes: traduz a memória retroativa dos douradenses, passada aos descendentes e transmitida a geração do presente.
§ 2º. – Em que os bravos bandeirantes: há a alusão pejorativa do povo, aos indômitos paulistas que venciam os perigos, conquistando a soberania das matas.
§ 3º. – Desvendavam os sertões: refere-se ao espírito desbravador dos bandeirantes, em busca de riquezas no afã do descobrimento das terras ainda desconhecidas dos homens.
§ 4º. – Buscavam pedras preciosas: revela à meta principal da ação das bandeiras que, intrepidamente, enfrentava as vicissitudes a ameaça dos perigos existentes no interior da mata, em busca das pedras preciosas, as famosas esmeraldas, verde esperança a iluminar os seus rudes corações.
§ 5º. – Atrás de si uma clareira: alude ao ponto referencial onde os pioneiros fincavam os seus estandartes de posse, demarcando os limites da área de distância percorrida, uma espécie de bússola de orientação, de localização.
Fonte de Pesquisa:
http://pt.wikisource.org/wiki/Lei_Municipal_de_Dourado_865_de_1997


Centro Cultural de Dourado Miltes Bueno Galassi.
O Centro Cultural de Dourado recebe o nome de Miltes Bueno Galassi em justa homenagem a autora e está funcionando desde de 20 de maio deste ano em um novo local: Avenida da Saudade, 225. Lá, a Prefeitura, por meio do Departamento de Cultura, também instalou a Biblioteca Municipal Cecília de Barros Pereira de Souza Braga, que possui um acervo com 10 mil livros. Na Biblioteca, os moradores também podem fazer consultas pela internet. O Departamento de Cultura também irá utilizar o espaço para promover oficinas culturais na nova sede.
Fonte de Dados, site da Prefeitura: http://www.dourado.sp.gov.br/




Prefeitura Municipal de Dourado:



Foto site: http://rocci.ac.vilabol.uol.com.br/predios.html